REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL UERGS

Condomínios ecológicos e conservação da biodiversidade: um estudo de caso em Torres, Rio Grande do Sul

Mostrar registro simples

dc.contributor.advisor Duarte, Marcelo Maisonette
dc.contributor.author Borges, Fernando Leandro
dc.date.accessioned 2021-05-05T18:46:27Z
dc.date.available 2021-05-05T18:46:27Z
dc.date.issued 2019
dc.date.submitted 2019
dc.identifier.uri https://repositorio.uergs.edu.br/xmlui/handle/123456789/1345
dc.description.abstract O presente estudo visou efetuar levantamento da mastofauna de médio e grande porte e discutir medidas relevantes para a conservação da biodiversidade no planejamento e licenciamento ambiental em condomínios fechados. Dessa forma a pesquisa foi realizada em um condomínio fechado no município de Torres, Rio Grande do Sul. A pesquisa dividiu-se em uma análise qualitativa dos documentos relacionados à criação do condomínio dentro do processo de licenciamento ambiental e uma ampla revisão da literatura a respeito dos condomínios no mundo, no Brasil e no estado do Rio Grande do Sul. A coleta de dados quantitativos ocorreu entre os meses de outubro de 2017 e setembro de 2018. Esse levantamento quantitativo foi viabilizado por capturas de vídeos em armadilhas fotográficas, no modo filmagem, além de caminhamentos em dois transectos pré-definidos ao longo de microcorredores ecológicos criados no processo de licenciamento ambiental e por parcelas de areia instaladas nos passadores de fauna no cercamento do empreendimento. As armadilhas fotográficas totalizaram 633 registros de deslocamento da mastofauna de médio e grande porte, com a ocorrência de 5 ordens, 9 famílias e 14 espécies. Foram incluídos nesta listagem cães e gatos domésticos. Os transectos e parcelas de areia totalizaram 242 registros, com apenas dois episódios de avistamento da mastofauna terrestre de médio e grande porte. Os dados qualitativos indicaram que os mecanismos de conectividade estrutural introduzidos no empreendimento, tais como os passadores de fauna, proteção de fragmentos florestais remanescentes na área de estudo com a criação de bordas de amortização e a consolidação de microcorredores ecológicos, foram medidas unilaterais do órgão ambiental licenciador, cumpridas pela empresa que instalou o empreendimento. Dentre as espécies registradas ocorreu o acompanhamento da reprodução de Cerdocyon thous e Procyon cancrivorus na abrangência da área de estudo, com o registro do deslocamento de dois filhotes de Cerdocyon thous e um filhote de Procyon cancrivorus. Avaliando as espécies que se deslocaram na área de estudo, quatro delas apresentam um grau de ameaça de extinção, sendo elas Leopardus tigrinus, Leopardus geoffroyi, Tamandua tetradactyla e Lontra longicaudis. O comportamento geral da mastofauna na travessia das galerias foi mais ativo no período da noite, com redução na madrugada e retomada de padrão mais efetivo somente no turno da tarde. Esse comportamento foi alterado no verão, com nítida perturbação, que pode estar relacionada ao período de veraneio. Os dados apontam que as áreas urbanas podem contribuir na conservação da biodiversidade, preservando e conservando redutos ambientais que possam constituir corredores ecológicos. Contudo, esta verificação não habilita os empreendimentos a promover avanços sobre os ambientes naturais e cabe à comunidade e gestores das cidades repensarem os rumos do processo de urbanização de seus municípios.
dc.language.iso 200709#2019####bl##################por##
dc.subject Biodiveridade
dc.subject Condomínios fechados
dc.subject Mastofauna
dc.subject Produção intelectual - Uergs
dc.title Condomínios ecológicos e conservação da biodiversidade: um estudo de caso em Torres, Rio Grande do Sul
dc.type Arquivo digital
local.degree.date Unidade em Hortênsias
local.degree.grantor Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
local.description.areasdoconhecimento D347.238(038)


Arquivos deste item

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples